segunda-feira, agosto 30, 2010

Poesias envelhecidas

Encontrei hoje um livro antigo.
Li e revirei suas páginas amareladas.
Era um livro de poesias.
Relendo, percebi que cada verso cantava a minha vida,
meus dias e anos, que passados já não são meus.
Capítulos inteiros sobre situações e sentimentos,
que, embora abandonados pelo corpo,
ainda estão apreendidos de alguma forma em mim.
Talvez grafados na alma, se ela realmente existir.

Em um movimento lento e repleto de tortura,
as letras se soltaram do papel,
misturando-se às lágrimas que meus olhos derramavam.
Vi diante de mim um pequeno lago de tinta salgada de saudade.
Não uma saudade das coisas vividas,
mas uma saudade do que não aconteceu.
Dos amores perdidos,
dos amigos distantes

De repente, todo aquele passado
Parecia mais importante agora
do que quando foi experimentado.
O sentir da tristeza foi inevitável
ao perceber que meu pesar era
o de não ter sentido no momento certo.
De não ter percebido no momento presente
Um presente, que agora passado, me escapou das mãos

Desejei compor novos arranjos
Criar novos versos
Desta vez com a certeza da singularidade
de cada momento,
de cada pessoa que cruza ou fica em minha trajetória
Olhando o passado, percebi a leveza do presente
O sentir poético do Agora
O sentimento doce, alegre ou triste
que cada momento guarda
Escreverei novas poesias
E no fim terei um livro de saudades
verdadeiramente póstumas.
Mas só no fim. Quando ele vier.

10 comentários:

Marina Mercante disse...

Texto doce e melancólico, Lilli. Conteúdo compartilhado, você bem sabe. Beijos.

Liana Aguiar disse...

Lindo texto. =) Beijo.

luiza disse...

Lindo poema...triste tbm..
Não demore muito , não espere pelo fim..o fim não existe..
bjsss te amo!

Thaís Ribeiro Bueno disse...

Que lindo, Lillian! Esse lance de passado e presente, de se tentar recuperar o passado, é muito forte. Por mais que a gente saiba que nunca pode recuperar o que passou, e que toda memória é encobridora (a gente só lembra o que escolhe lembrar) acho que estar sempre nesta tensão entre passado e presente é a melhor maneira de se viver. Entre o lá e cá, em vez de viver só de um lado ou de outro.
Muito lindo! Parabéns!
Thais

JornaLillian disse...

Eu sei Ma. Você e eu somos muito parecidas, talvez por isso tão amigas!
Mara, o fim, o fim de cada etapa existe sim. A morte do corpo é um fim. Pode até não ser com todo o peso que hoje a palavra se figura em nossa mente, mas é um tipo de fim.
O póstumo será para quem ler meu livro depois desse fim. Como hoje leio Fernando Pessoa e tento reconstruir em minha mente quem ele foi.
É, Thaís, acho que tem razão. A presença do passado em nossa mente nos ajuda a elucidar o presente. Acho benéfico também alguns destes mergulhos.
Beijo, Lilica, obrigada! :)

Lilian Gonzaga disse...

Muito profundo. Muito lindo! Adorei, Lilli.
Saudades... Bjos.

savita disse...

You can earn a real income online by becoming Home Typist! As a Home Typist, your job consists of typing and placing ads on the Internet. You don't need to have experience in Clerical or Advertising. Work is very simple to do, just copy and paste the ads. Only serious people need to apply for the job.
For more details E-mail us at support.visionjob@gmail.com

savita disse...

Any one can do it very easily Easy Money Creation procures a wide variety of services from companies around the world. We strive to build relationships. More details:- E-mail us at support.visionjob@gmail.com

Di Fitá disse...

Muito Lindo as palavras. :-) bjos

llq disse...

I get much in your theme really wedding gowns thank your very much i will come every day