terça-feira, fevereiro 14, 2006

JornaLillian (paixões e frustrações)

Há algum tempo, ou melhor anos, alimento um sonho... na verdade uma meta. - Não gosto de tratar como sonho para não parecer que espero a ação do destino, e sempre que o tal destino age contraria meus desejos - O que me deixa triste é perceber o quanto sou fraca e limitada diante dos fatos para transformar meus objetivos em realidade.
Hoje tive um ataque súbito, uma crise de choro ao sentir a minha impotência diante da vida e dos caminhos que ela toma sem me consultar. Constatei que sou "nada" perante os percalços e empurrões do chato do destino (porque se ele existe, com certeza me desafia).
É estranho esse sentimento me atacar agora, até porque ontem tive uma grande notícia para minha curta carreira de jornalista. Recebi uma proposta que contempla a paixão ardente que cultivo dentro do exercício do jornalismo. Ainda não posso dizer o que é, mas em breve quem me conhece (e lê jornal) poderá conferir meu contentamento expresso em algumas linhas.
No entato, o meu primeiro sonho, também profissional, parece ainda distante... mas apesar da tristeza tenho comigo um sentimento (de água mole em pedra dura) que não me deixa desistir. Outro dia conversava com a Paola (minha amiga) sobre essa tal insistência (natural) quando quero algo e comentei que algumas vezes seria melhor não ter tentado, mas como poderia saber. E diante de algo novo insisto de novo. Pode parecer uma atitude de gente teimosa (talvez seja), mas há quem entenda. A Paola por exemplo, que também afirma compartilhar o sentimento.
Por isso falo agora da minha alegria e da minha tristeza. Talvez tenha neste momento uma visão restrita: penso que a vida é uma só e que tenho que correr, correr, correr e correr para atingir minhas metas. Mas ela também cede às nossas insistências e por isso digo: vou correr até o fim atrás da minha meta.
Por hora, escrever aqui foi bom. Reafirmei minha decisão de manipular meus próprios sentimentos e pensar que tive nesses dias uma das minhas primeiras conquistas profissionais, que deve ser um dos primeiros passos para alcançar outros mundos, outros vôos... que podem, quiça, ir além da minha meta. Mas ainda hoje a frustração me faz chorar.

2 comentários:

P.F. disse...

Chora não, mulher. Ou melhor, chora sim, para desabafar. Quem sou eu para falar disso, né? Sou a maior chorona. Fiquei feliz por você. O que está prestes a chegar às bancas é mesmo a sua cara. E lembre-se: você conquistou esse espaço. E vai conquistar mais. Quanto ao sonho (como eu te disse, não diga sonho, mas diga meta), é só uma questão de tempo. Eu costumo dizer que tudo tem a sua hora. Logo, logo você estará lá.

Má disse...

não entendi direito líllian... me explica direito como é isso... qual é este seu sonho (meta)???
tentei te ligar aquele dia... mas vc tava na entrevista... me manda e-mail então. o que vc quer me dizer "não muito legal"... da msg do celular???
estou sem entender!!!!
Beijos. saudades d+