quinta-feira, março 24, 2011

Poema sufocado

Nunca me calara antes
Há algum tempo precisei
Agora sei que calar sufoca
apara e apaga
Ação difícil
Para alguém feita de impulsos
E do gosto por pensar
Para quem leva
Disritmia no pulso
E ritmo no caminhar
Calar agora entristece
Encoleriza e adoece
Mas calar é o fardo que agora escolhi carregar
Mais por saber
que minhas palavras atrozes
Podem derrubar, chorar, matar
Então caminho
e minha mente enlouquece
o que minha boca sufoca
Se chegar perto ouvirás
Um suave balbuciar
E ao ouvir saberás
Quem de fato agora cala.

Lillian B.

3 comentários:

Mystica Lyn disse...

me descreves por inteira..

repassei seu poema em minha pg com os devidos creditos..

bjs..

JornaLillian disse...

Legal. Vamos partilhar mesmo. Beijos

llq disse...

Possibly the most amazing blog that I read all year off the shoulder wedding dresses?!