segunda-feira, abril 28, 2008

Reflexos sem Reflexões (uma tentativa de escrever contos)

Rodoviária lotada. No guichê a fila formava um W, que ultrapassava os limites das faixas amarelas pintadas no chão – tentativa vã de organizar a impaciência das pessoas. Exatamente no meio da fila estava Lídia. Arrastando uma enorme mala azul, uma bolsa de lona verde transpassada no corpo, jaqueta dependurada no braço, jornais e papéis amassados na mão esquerda. Entediada, pensava no final de semana de trabalho que a aguardava em Brasília. Mesmo impaciente, resolveu aproveitar os intermináveis minutos de espera para pensar sobre os últimos tropeços emocionais que passara.

Há um mês, a desorganizada professora atolava a vida em trabalho. Recorria ao ganha pão como válvula de escape para esquivar-se da vida pessoal que não ia lá essas coisas. Lembrou que adotava a estratégia nos últimos três anos, sem férias. Pensava na sucessão de passos errados, amizades superficiais, intrigas e desentendimentos que vivera no período.

Tentava, em um difícil exercício mental, pinçar no pensamento os relacionamentos sinceros e as amizades verdadeiras que conseguira construir até ali. Fez um balanço: saldo negativo. Dali a uma semana faria 25 anos. “Um quarto de século e o que eu fiz?” Tudo parecia mesmo sem solução.

- O senhor não pode embarcar com um bilhete usado! A voz aguda da atendente espetou os pensamentos de Lídia, que foi jogada para fora de seu íntimo direto para um bate boca de rodoviária. À sua frente um senhor que aparentava ter entre 70 e 90 anos insistia em viajar com um papelzinho amassado na mão. Queria entregar o papel e saber o número da poltrona em que sentaria.

-Eu tenho passagem e quero viajar – dizia de cabeça baixa, como se as pessoas só existissem do pescoço até os pés. A voz, também baixa, era interrompida por gritos e um tique nervoso que o obrigava a virar bruscamente a cabeça de dez em dez segundos.
A situação incomodava Lídia, que começou a olhar para trás na tentativa de encontrar em alguém a iniciativa que resolveria tudo.

Atrás uma garota de cabelos vermelhos - devia ter uns 20 anos, calça desbotada e uma mini-blusa verde musgo - parecia ignorar a situação enquanto mastigava um “insuportável” chiclete. Depois, uma senhora gorda e grisalha completava palavras cruzadas sentada em uma mala, enquanto a garotinha que a acompanhava (sete anos talvez), vestida com a fantasia do grupo mexicano adolescente Rebeldes tentava disfarçar enquanto extraia bolinhas de meleca do nariz com o indicador e jogava na garota do chiclete.

- Deviam prender quem compra esse tipo de roupa para criança – murmurou Lídia.

Na frente o senhor ainda insistia em trocar o bilhete e discutia com os atendentes nos breves intervalos da virada de cabeça compulsiva.

- Quanto é a passagem? – perguntou Lídia irritada com a inércia das pessoas.
- O que senhora? – devolveu a funcionária, dona da voz estridente.
-Quanto é para esse senhor viajar? - Insistiu
- 25 reais
- Toma. - Tirou cinco notas de cinco amassadas da bolsa de lona.

Em um gesto automático, a funcionária imprimiu o bilhete e entregou ao senhor, que sem perceber a iniciativa de Lídia, devolveu o velho papel amassado e pegou apressadamente a passagem nova.

- Finalmente a sirigaita entendeu. Não é possível... – seguiu resmungando baixinho.
- Esse homem devia ter passe livre – comentou a, antes inerte, garota do chiclete.
-É, deveria. – rebateu Lídia sem olhar para trás.
Com passos rápidos, a professora seguiu, tentando equilibrar a grande mala, os papéis e a pesada bolsa de lona.

Entrou no ônibus. Da poltrona 20 (exatamente no meio do carro) esticou o pescoço e tentou localizar o senhor da passagem. Não conseguiu. Acomodou a bolsa, o jornal e os papéis no assento ao lado, que estava vazio. Fechou os olhos.

-Aquele senhor nunca saberá que eu o ajudei a viajar. – Começou a pensar sobre a “força do acaso”, que até então só pregara peças na jovem professora. Lembrou dos desarranjos de sua vida emocional. Os desencontros, as decepções...

Desejou estar um dia no lugar do senhor da passagem, beneficiado pela força do tal acaso “que tem a mania de agir de caso pensado”.
O ônibus estremeceu. E o barulho grave do motor abortou os pensamentos e sinalizou o início da viagem.

-Melhor planejar o roteiro das reuniões. Onde eu deixei minha agenda?

2 comentários:

Anônimo disse...

Você poderia desenvolver essa personagem e fazer uma continuação. Ou escrever um romance, ou um roteiro.
Lídia é uma personagem interessante, eu mesmo estou com vontade de imaginar como será o fim de semana de dela em Brasília...
Marcus Bessa

JornaLillian disse...

A Lídia tem muitas estórias não publicadas. Ela é minha personagem-reflexo. Alguém que desejo, projeto e admiro ao mesmo tempo. Pena que não está no mundo palpável. Com o tempo decido se publico ou não outras histórias dela. Ela surge inspirada na minha paixão por Ricardo Reis, heterônimo de Fernando Pessoa. Beijos, Lillian